Quando eu era criança, tive que ler um livro (sim, tive porque espontaneamente não leira nada de auto-ajuda) chamado “O maior vendedor do mundo” que, a despeito de tantos outros do gênero conta a história de um homem de sucesso e sua saga até o topo.

Mas e quando o conceito de “topo da carreira” de um vendedor de sucesso não tem nada a ver com os sonhos de 99% de todos aqueles que ficam em pé, no mínimo, 6 horas por dia para “defender o seu.”?

Paco, um adolescente de 15 anos e ambulante em Acapulco, é hoje o vendedor mais famoso do youtube, pois, com abordagem e metodologia próprias, esse autodidata do marketing de produto e da venda propriamente dita, sabe atrair a atenção dos banhistas e em poucas frases consegue torná-los clientes fiéis das empanadas preparadas pela sua avó.

A famosa “praia do Chaves” rendeu-se ao talento desse jovem que desenvolveu metodologia própria para vender as empanadas e tem feito muito sucesso. Tanto que dois clientes resolveram registrar a abordagem de Paco (Francisco Orihuela é o seu nome) e obtiveram nada menos de 13 milhões de views no youtube.

Diga a verdade. Quando vemos esse número de 13 milhões de visualizações, a primeira coisa que se pensa é: o que ele fez pra conseguir isso? É elementar, meus caros leitores, em 41 anos de vida e muita luta como a maioria das pessoas, aprendi que o sucesso é algo que gosta de surpreender as pessoas a quem agracia.

Além de chamar a atenção da imprensa mexicana cansada de noticiar o narcotráfico e a fuga de turistas do balneário por causa disso, Paco chamou a atenção de ninguém menos que Arturo Elías Ayub, diretor de parcerias estratégicas da empresa América Móvil, uma das maiores da telefonia móvel mexicana que fez uma verdadeira peregrinação no Facebook à caça do menino, assim, Paco fora chamado para ser parceiro de uma multinacional mexicana. E o que ele fez?

Ele recusou!

Não você não leu errado. Um menino de 15 anos, família humilde, que segundo ele mesmo desde pequeno levava doces e sanduíches para vender na escola porque sempre gostou de ganhar dinheiro, recusou uma oportunidade de abandonar as escaldantes areias da praia, e trocar a dura realidade de vendedor ambulante por uma confortável sala em um edifício corporativo com todas as comodidades que só os grandes executivos têm.

Claro que, mesmo quem não é e nem nunca foi vendedor na vida, se pergunta o porquê dessa recusa ao sucesso. Não é para menos, se vender em loja com ar condicionado e produtos com propaganda em todos os canais de mídia já é difícil, imagina nas areias escaldantes de um balneário que, segundo dizem, está decadente.

A parceria com a empresa mexicana seria na forma de: primeiro uma bolsa de estudos para Paco aprender na teoria o que ele já faz na prática e um posterior excelente emprego.

Paco, em contrapartida ao mundo dos negócios, não deseja se descaracterizar ou mesmo que isso signifique o crescimento do seu empreendimento. Tanto que, segundo ele mesmo disse à Televisa Mexicana (umas grande emissora de TV de lá), está um pouco afastado das areias de Acapulco porque teme que, com a popularidade que o seu vídeo atingiu, ele se desvie do seu propósito que é o de vender as empanadas com toda a metodologia desenvolvida por ele mesmo, porque é assim que ele é feliz. O que justifica também a sua recusa às propostas de emprego.

Não é lindo isso? Paco criou uma página no Face (Paco el mercadólogo del Futuro) onde gosta de dar conselhos, dicas de técnicas de vendas e compartilhar suas preferências. Mas, a receita de família das suas empanadas (que agora ele mesmo faz) ele não compartilha, afinal, o segredo do sucesso é o segredo

Apesar de dar lições de empreendedorismo para gente de todas as idades, Paco ainda é um menino de 15 anos, por isso, presta contas de suas vendas a seus pais. Ela jornalista e ele publicitário. Eis aí a resposta! Árvore boa sempre dá bons frutos, pois, ele mesmo diz que aprendeu tudo com os experts que são seus pais e que ouvir os mais experientes é necessário para atingir o sucesso.

Não é à toa que ele desenvolveu sua própria técnica de abordagem:

“Olho para cada cliente, analiso bem e digo: ‘para esse vou oferecer empanadas assim’. Faço a propaganda para convencê-lo de que é especial. Depois, rimos juntos do meu empenho. É aí, é só fechar a venda.”

Entenderam a fórmula? Primeiro ele analisa para conhecer o cliente, ou seja, faz uma sondagem visual antes da abordagem que, segundo ele, é personalizada. Depois faz o cliente rir com a variedade de sabores das suas empanadas “queijo com presunto e presunto com queijo” e pra fechar a venda ri de si mesmo e da sua forma de trabalhar, afinal, somo todos carentes.

Não me queiram mal, por favor, mas, se alguém que quer nos vender algo nos trata de maneira personalizada e nos faz sentir únicos naquele momento, basta ter o poder de compra, que a necessidade do produto fica em segundo plano, porque, comprar de um vendedor tão singular é a forma que nós, clientes, encontramos para dizer: “Obrigado. Você me divertiu, me fez sentir especial e melhorou o meu dia.”

Então, meu povo, a receita do Paco é simples

Ele não vende empanadas, vende sorrisos! Faz o cliente rir e após isso ganha a sua confiança, o que faz investir nas suas empanadas e que, ao que parece, nunca se arrepender. Junte-se a isso o fato de Paco falar frases em português, alemão, italiano, russo, árabe, francês e inglês, além do espanhol e o cliente fica maravilhado.

A abordagem de Paco é sempre em inglês, mas se o cliente responde em um idioma diferente tentando surpreender, Paco não se intimida e fala na língua dele. Eis aí outra lição do menino prodígio: Ser acessível e destemido. Como não admirar?

Jürgen Klaric, professor americano e pesquisador de neuromarketing (união do marketing com a ciência que estuda a lógica de consumo), diz que Paco é “grande talento de vendas”.

Imagina o quanto esse menino nascido no tão marginalizado México (por estadunidenses a exemplo do Trump), intriga pesquisadores, empresários e marqueteiro dos EUA e do resto do mundo fazendo-os perguntar a si mesmos:

Como pode ele ter tamanho sucesso sem fazer uso das fórmulas mágicas tão difundidas acerca das técnicas de venda e abordagem adequadas para alcançar o sucesso?

Explicando a recusa, Paco e sua família esclarecem que não precisam do dinheiro da venda das empanadas, logo, fica claro para todos que Paco frita a sola dos próprios pés nas areias da praia, andando e oferecendo suas empanadas por horas a fio, por um único motivo: ele ama o que faz.

E convenhamos, onde há amor, não há ambição, publicidade, estratégia ou qualquer outro artifício que vença, afinal, o amor é algo que, quanto mais damos, mais recebemos.

Aprendeu?

Beijo me clica!®