Crise econômica e trabalho. Os dois caminham em direções opostas. Daí, pintam dificuldades e rolam aqueles cortes em empresas de todos os tipos.  Essas são apenas algumas das palavras que o brasileiro mais fala ultimamente. Vários setores da economia estão sentindo o efeito da crise.

Na verdade um levantamento feito pela ContaAzul apontou que, das 5102 micro e pequenas empresas que participaram da pesquisa, 71% sofreram com o impacto da crise.

E se está ruim para as MPEs que frequentemente são maiores e mais estruturadas do que freelancers que são sozinhos, o que dizer desses trabalhadores solitários? Parece desesperador, mas tenha calma: há mais mistérios entre a crise e os freelancers do que julga nossa vã filosofia.

Crise é sinônimo de oportunidade

Esse antigo ditado tem seu fundo de verdade. Em momentos de crise, temos de ser mais criativos para solucionar nossos problemas. Empregadores que não têm mais como manter funcionários CLT acabam procurando serviços freelancers.

Ou seja, mais oportunidade para você. Da sua parte, você precisa ficar de olho aberto no mercado e ficar sempre atento, pois no momento de crise, as oportunidades vêm de onde você menos espera, inclusive de mercados fora do Brasil.

Flexibilidade a seu favor

É verdade que você pode ter um ou outro cliente que não fiquem um tempo sem te chamar para trabalhar. No entanto, a flexibilidade da vida freelancer é um ponto positivo também na crise: você pode procurar quantos clientes conseguir dar conta. Não há contrato de exclusividade, então, novamente, fique de olho do mercado.

Um segmento que cresce

O segmento freelancer tem crescido nas principais economias da Europa, nos Estados Unidos e Canadá, mesmo no período de crise. Isso indica que mesmo com a turbulência da crise brasileira e mundial, os freelancers vêm ganhando espaço. A revista “The Economist” publicou em janeiro desse ano uma reportagem em que está previsto que o segmento freelancer não só está crescendo como também vai forçar o mercado de trabalho a se reinventar para se tornar mais competitivo com os freelancers.

De acordo com a matéria, apps e websites que intermediam freelancer e cliente oferecem uma disponibilidade quase instantânea do serviço, gerando mais rapidez, diferentemente dos serviços comuns de contratação.

Mas crise é crise

E portanto você precisa ter um olho no peixe e outro no gato. O número de freelancers também aumenta com a crise e o mercado tende a ficar mais competitivo. Então, aja de forma coerente com o clima econômico: controle os gastos, diversifique seus clientes, mercados e até seus serviços (ex.: aprenda novas habilidades). Com um pouco de cuidado, planejamento e empenho você pode não só  superar a crise, como ainda tirar proveito dela.

Comentários? Queremos ler!