Fala Freela! Tudo bem? Hoje quero conversar com você sobre referências!

Existem vários tipos de referências. Por exemplo, no ambiente acadêmico utiliza-se muito a referência bibliográfica, já na publicidade para se criar uma peça o diretor de arte e o redator buscam inspiração no cinema, nas artes plásticas, na literatura e na música. Referenciar é relacionar, é fazer alusão, é levar de volta.

Há um tipo de referência, que se aproxima mais do que quero falar: é a referência artística, que tem a função mais de inspirar, de motivar a criatividade.

Boas referências fazem você pensar melhor?

Ninguém está sozinho na multidão. Vá para rua!

Mais afinal o que é referência?

Entendo a referência como uma informação assimilada e não simplesmente copiada. É como no pensamento filosófico onde a pergunta é mais importante do que a resposta. Quando se encontra uma referência, importa mais entender como o criativo chegou à determinada solução do que ela em si. Quando se trata de referência é essencial percorrer o mesmo caminho que o autor e assim assimilar o processo criativo.

Entendo a referência como uma informação assimilada e não simplesmente copiada. Penso também que a busca por referência transcende a pesquisa que se faz para um determinado projeto, que tem o seu valor por ser focada, pois temos uma ideia do que estamos procurando.

Entretanto existe uma coleta de referência mais “casual”, que acontece no quotidiano. As referências estão em todos os lugares, às vezes nos mais inusitados, você pode encontra-la na arquitetura de uma casa velha ou em uma igreja antiga, ela pode estar em um muro na forma de um grafite ou na capa de um livro de cordel, em um game ou uma revista em quadrinhos, praticamente qualquer coisa pode se tornar uma referência.

Além dessas, existem as vias “clássicas” de referências: um bom livro, um filme, uma peça de teatro, boa música ou uma exposição de artes. Se você vive de criatividade então precisa ter fome dessas referências, alimente sua alma com arte.

Como coletar boas referências

Crie o hábito de coletar boas referências, de preferência saia um pouco da frente dessa janela virtual, vá a campo, pegue um caderno de rascunho e uma máquina fotográfica, faça um passeio em seu bairro, em sua cidade, visite um museu de arte ou uma igreja antiga, deixe sua percepção em modo “on”, observe, pergunte, entenda. Garanto que você irá se surpreender com o resultado.

Concluindo

Boas referências são essenciais para desenvolver a personalidade criativa, elas enriquecem muito o trabalho. Invista um pouco de seu tempo na coleta e organização de suas referências, aos poucos você terá em mãos um repertório não de cópias, mais de ideias, de raciocínios, de soluções. As referências são muito úteis, quando nos fazem pensar.

Agradeço a sua atenção, se puder partilhe conosco como você tem coletado e usado suas referências, vamos continuar a conversar. Compartilhe o conhecimento, divulgue também em suas redes sociais. Obrigado e até a próxima!